Evolução - Antero de Quental

"Antero de Quental, ótimo poeta e perfeito em seus sonetos. Grande autor que não se deve esquecer."



Evolução


Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo
tronco ou ramo na incógnita floresta...
Onda, espumei, quebrando-me na aresta
Do granito, antiquíssimo inimigo...

Rugi, fera talvez, buscando abrigo
Na caverna que ensombra urze e giesta;
O, monstro primitivo, ergui a testa
No limoso paúl, glauco pascigo...

Hoje sou homem, e na sombra enorme
Vejo, a meus pés, a escada multiforme,
Que desce, em espirais, da imensidade...

Interrogo o infinito e às vezes choro...
Mas estendendo as mãos no vácuo, adoro
E aspiro unicamente à liberdade. 

Antero de Quental
Gostou? Clique em curtir e compartilhe este poema com seus amigos no Facebook!

1 Comentário

vagavozes do meu sonho e Almas de Flores da Noite disse...

Eu gostei muito de conhecer o seu Blog e saber sobre você, quando eu leio uma obra, oque mais me avoroça o ser é poder conhecer primeiro o autor.
Escritora e Poeta Del Mundo
Miria Pereyra
miria-pereira@ibest.com.br

Postar um comentário

Não deixe de curtir a nossa página no facebook com postagens exclusivas!

Que tal ser um parceiro e ver publicado aqui um texto ou um poema de sua autoria? Basta enviar um e-mail para bcfadigas@hotmail.com que eu postarei com prazer algum texto ou poema seu.
Gostaria de ver o seu blog entre os 'blogs que eu sigo'?É só deixar um comentário no post de sua preferência.